Prótese de revisão é mais uma opção para artrose no tornozelo

Os avanços em próteses de tornozelo estão possibilitando que pacientes que sofrem com artrose possam solucionar o problema sem a perda do movimento no local. No início do mês, Dr. Cesar Martins, ortopedista especialista em pé e tornozelo na Uniorte, esteve nos Estados Unidos para aprender mais uma técnica. “É mais uma opção de prótese, chamada prótese de revisão. Ela pode ser usada nos casos em que a outra prótese não obteve sucesso, em casos de deformações maiores ou quando o paciente tem um estoque menor de osso”, cita.

Outro benefício do procedimento, diz ele, é possibilitar graus de correção melhor nos casos em que isso se faz necessário. Em medicina, nada é “receita de bolo”. “É preciso analisar cada caso para ver qual é o melhor caminho a seguir. Por isso a importância de ter vários recursos e técnicas para poder indicar o melhor procedimento para cada paciente”, pontua o especialista.

O objetivo da viagem foi justamente ter mais uma ferramenta de trabalho. As próteses de tornozelo estão entre as cirurgias novas no país que vem dando certo. Desde 2013, Dr. Cesar realiza a colocação dessas próteses em pacientes de todas as regiões do país, além de viajar também para multiplicar o conhecimento que adquiriu na Alemanha com outros ortopedistas. “Até pouco tempo, não tínhamos a possibilidade de fazer essa cirurgia no Brasil. Os pacientes que tinham indicação de cirurgia por conta de artrose, tinham por opção apenas o procedimento conhecido por artrodese, que faz a retirada total da artrose, tendo como consequência a perda do movimento no tornozelo, o que fazia com que muitos desistissem de operar”, recorda.

De novembro de 2013 para cá, Dr. Cesar Martins realizou dezenas de cirurgias desse tipo, sendo o ortopedista que mais fez esse procedimento no país. Feliz com o resultado do trabalho, ele segue em busca de conhecimento. “Fui buscar mais uma opção para atender os casos em que a outra prótese não tinha indicação ou apresentava falha por soltura. Nesses casos, a saída era somente a artrodese, mas ela não é bem aceita por conta da perda do movimento”, afirma.

A artrose provoca limitações na vida do paciente, que sente dores. A doença é um processo degenerativo que leva à perda da cartilagem. Como ela é progressiva, com o tempo a cartilagem se degenera e os ossos passam e roçar um no outro, provocando as dores, limitando o movimento e até levando à deformação da articulação. Quando o tratamento conservador já não obtém sucesso, é o momento de pensar na cirurgia de prótese ou atrodese, sempre com indicação de um especialista.