ARTIGO: Impacto Fermoroacetabular

Por Rafael Leite Tavares, especialista em quadril  

A busca da estética corporal e da vida saudável faz crescer a cada dia o número de praticantes de atividades físicas. Somado a isso, há a busca pelo desempenho cada vez melhor, o que tem feito crescer o número de afecções do quadril relacionadas ao esporte. Atletas amadores ou profissionais são submetidos a grandes esforços que podem afetar suas articulações, tornando-as propícias às lesões. Em consequência desta conduta esportiva, os choques e traumas são cada vez mais frequentes nas estruturas esqueléticas, aumentando o risco de contusões e lesões articulares. 

A principal causa de dor no quadril em atletas é a lesão do lábio acetabular, tanto por causas traumáticas agudas quanto, muito mais frequentemente, por mecanismos complexos não totalmente elucidados. O impacto femoroacetabular (IFA) é uma dessas causas e vem ganhando importância como a principal causa de lesão do lábio acetabular.

Quanto à localização das lesões, há maior acometimento dos membros inferiores, achado que é provavelmente explicado pelo fato de ser o futebol o esporte mais praticado no nosso meio. O mecanismo da lesão pode ser devido ao trauma direto ou aos esforços repetitivos. 

Os procedimentos artroscópicos (por vídeo) têm sido indicados para o tratamento dessas lesões, com recuperação satisfatória a ponto de permitir o retorno ao esporte. 

O impacto femoroacetabular (IFA) só recentemente foi descrito também como comprovada causa da osteoartrose do quadril. A base teórica da correlação entre deformidades ósseas e lesões articulares com consequente desgaste da cartilagem articular é investigada e modelos de computação gráfica validam esta teoria. Alterações na mobilidade pélvica repercutem na biomecânica do quadril do paciente com IFA e podem ser evidenciadas no momento da cirurgia. 

O impacto femoroacetabular afeta principalmente adultos na segunda e terceira décadas da vida, ativos, que tipicamente apresentam dor no quadril e região inguinal (virilha), sem história de trauma precipitante. É característico o sinal em “C”: o paciente demonstra a localização da dor em torno do quadril, fazendo um “C” com a mão e agarrando o quadril comprometido.  A dor é exacerbada com atividade física e quando os pacientes permanecem sentados por longos períodos. Eles apresentam algum grau de restrição da mobilidade do quadril, principalmente em flexão, rotação interna e adução. Esta posição ocorre com frequência no dia a dia ao subir e descer escadas, ao entrar e sair do carro, entre outros.

É importante citar que pessoas assintomáticas (sem dor) cujo quadril seja dismórfico podem, sem conhecimento, prejudicar-se por nova lesão ou piora de uma lesão preexistente no quadril após a realização deste tipo de exercício. Segundo os mecanismos e os padrões das lesões condrais e labrais, podemos dividir o IFA em dois tipos principais: came e pincer. As lesões ocorrem pela entrada forçada de uma porção não esférica da cabeça femoral no acetábulo, especialmente durante a flexão. A abrasão ocorre de fora para dentro na porção ântero-superior da cartilagem acetabular, podendo resultar na avulsão do labrum e do osso subcondral.

 Isso promoverá a propulsão da cabeça femoral posterior e inferiormente. O termo came ou cam provém da mecânica e está relacionado à transformação de um movimento circular em um linear, graças à presença de saliências ou reentrâncias, como no virabrequim de motor. É mais comum em homens, entre a segunda e terceira décadas, que mantêm atividades físicas regulares. Foi descrito em casos de consolidação viciosa de fratura do colo do fêmur, epifisiólise femoral proximal e doença de Legg-Calvé-Perthes. 

O tipo pincer ocorre como um contato linear entre a margem acetabular e a junção cervicocefálica.  A repetição leva à degeneração do labrum, formação de ganglion intra-substância, ossificação da margem acetabular e aprofundamento do acetábulo. O impacto deve-se basicamente a anormalidades acetabulares, como na protrusão ou na retroversão. As lesões condrais são circunferenciais. São mais comuns em mulheres após a terceira ou quarta décadas. Raramente esses dois tipos ocorrem isoladamente, sendo mais comum a sua combinação. 

As opções de tratamento do impacto incluem: o tratamento conservador, a osteocondroplastia femoral e acetabular, a artroscopia e a osteotomia periacetabular. O tratamento inicial mais apropriado desses pacientes consiste na modificação das atividades físicas, em evitar excessivos movimentos da articulação e na utilização de antiinflamatórios. Fisioterapia para melhorar a amplitude de movimento não traz benefícios e ainda pode piorar o quadro clínico. O tratamento conservador pode trazer alívio apenas temporário em alguns pacientes.

A persistência dos sintomas e a presença de lesões labrais ou condrais podem ser indicações de tratamento cirúrgico. Este tem como objetivo principal facilitar a amplitude de movimentos do quadril por meio da diminuição do impacto entre o fêmur e a borda do acetábulo. 

A cirurgia artroscópica pode ser realizada com o paciente em decúbito lateral ou supino. Há a necessidade de mesa de tração e de intensificador de imagens. A cirurgia artroscópica permite o exame dos compartimentos central e periférico.  

O compartimento central inclui o labrum e as estruturas localizadas medialmente, enquanto o periférico abrange as estruturas laterais ao labrum e intracapsulares, incluindo a cabeça femoral, o colo e cápsula (40). A artroscopia permite realizar o desbridamento de lesões labrais e da cartilagem(52) e facilita a técnica de microfraturas para áreas com exposição do osso subcondral. Após artroscopia do compartimento central libera-se a tração para avaliação do periférico. Nenhum exame de imagem, incluindo a artrorressonância com melhoramentos na técnica e instrumentação tornaram a artroscopia do quadril um meio efetivo de diagnosticar e tratar uma variedade de problemas intra e extra-articulares. 

O tratamento cirúrgico do impacto femoroacetabular apresenta bons resultados em pacientes com alterações degenerativas precoces do quadril. Estudos em longo prazo são necessários para determinar quando tais tratamentos previnem a progressão da osteoartrose do quadril

 

Bibliografia:

Crestani, MARCUS VINÍCIUS, Marco Aurélio Teloken, and PAULO DAVID FORTIS Gusmão. “Impacto femoroacetabular: uma das condições precursoras da osteoartrose do quadril.” Rev Bras Ortop 41.8 (2006): 285-93.

IN, A. “Tratamento cirúrgico para impacto femoroacetabular em um grupo que realiza agachamento.” Rev Bras Ortop 47.4 (2012): 488-92.

Zipperer, Jean Rodrigo, Karla Jacinto, and Daniela Hess. “Revisão analítica do impacto femoroacetabular.” ACTA BRASILEIRA DO MOVIMENTO HUMANO-BMH 2.2 (2012): 14-24.

Junior, Walter Ricioli. “Giancarlo C. Polesello1, Marcelo C. Queiroz2, Nelson K. Ono3, Emerson K. Honda4, Rodrigo P. Guimarães5.” Tratamento artroscópico do impacto femoroacetabular.”Rev Bras Ortop 44.3 (2009): 230-8.

Guimarães, Rodrigo Pereira, Walter Riccioli Junior, and Guilherme Do Val Sella. “Giancarlo Cavalli Polesello1, Nelson Keiske Ono2, Davi Gabriel Bellan3, Emerson Kiyoshi Honda4.”” Artroscopia do quadril em atletas.”Rev Bras Ortop 44.1 (2009): 26-31.