Notícias

05/12/2017Artroplastia trata casos avançados de artrose

Dor e dificuldade para executar tarefas simples do dia a dia. Quem tem artrose em estágio avançado sofre com dores intensas e queda na qualidade de vida. Quando os tratamentos conservadores não obtêm sucesso e estas queixas se tornam constantes, em geral, a indicação é passar pela artroplastia, cirurgia de prótese para substituir a articulação que está desgastada, geralmente joelho, quadril, tornozelo ou ombro.

Ortopedista da Uniorte, Dr. Alexandre Queiroz explica que a artrose é uma doença degenerativa da articulação que leva ao desgaste da cartilagem. A saber, a cartilagem tem a função de proteger os ossos para que eles não tenham contato entre si, amortecendo o impacto. Sem ela, há o contato entre eles e a dor. “A artrose pode ser causada pela idade avançada, excesso de peso, prática de atividades físicas de grande impacto, trauma ou mesmo por questões hereditárias e genéticas. Em estágios iniciais, a doença pode ser controlada com tratamentos conservadores como uso de medicações anti-inflamatórias e analgésicas para alívio da dor e também fisioterapia para fortalecimento e alongamento muscular. Infiltrações com ácido hialurônico também podem ser prescritas pelo médico”, descreve.

Especialista em joelho, ele aponta que a cirurgia é o recurso indicado para estágios avançados da doença. “Se a inflamação se torna crônica, a dor é constante, o joelho apresenta deformidade ou fica constantemente inchado, a prótese total de joelho tem indicação com bons resultados. A cirurgia tem por objetivo o alívio da dor e a melhora do movimento do joelho. Com a artrose avançada, o paciente acaba privado de atividades simples do dia a dia, perde amplitude do movimento por conta da dor e da rigidez da articulação”, descreve o ortopedista.

Também especialista em joelho, Dr. Marcus Vinícius Danieli explica que a cirurgia substitui a cartilagem deteriorada pela prótese. “Os resultados são muito bons e o paciente consegue recuperar o movimento que tinha antes da cirurgia. O movimento total de extensão e flexão nem sempre é possível, mas o retorno às atividades diárias é um ganho que o paciente tem, além da melhora da dor. Dados estatísticos apontam que 90% dos pacientes têm redução significativa da dor”, destaca.

Como no joelho, o ombro é outra articulação que pode provocar dores se há artrose em estágio avançado, tendo indicação cirúrgica. “A técnica que tem resultados mais satisfatórios é a prótese de ombro, que pode ser parcial, total ou reversa. Tivemos muitos avanços tanto nas próteses como nas técnicas aplicadas, o que beneficia o paciente que necessita desta intervenção. Temos diferentes técnicas cirúrgicas que são indicadas conforme a clínica e as características do paciente. Privilegiamos sempre o tratamento individualizado do paciente”, diz o ortopedista Daniel Vieira.

Segundo ele, a prótese proporciona o controle da dor relatada pelo paciente, pois o contato entre os ossos da articulação do ombro que acontecia pela falta de cartilagem deixa de existir com a presença da prótese. “O paciente consegue ter uma movimentação funcional do ombro e deixa de sentir dor”, ressalta o especialista em ombro.

Um dos procedimentos que mais avançou nos últimos tempos é a prótese no tornozelo. A artroplastia nesta região veio como um avanço à artrodese, que limitava o movimento dos pés e tornozelo em pacientes que passavam pelo procedimento. “A grande vantagem desta nova técnica e prótese utilizada é que ela preserva o movimento do tornozelo. Até então, pacientes submetidos à artrodese para tratar artrose no tornozelo perdiam esse movimento. Além disso, ela tem menor retirada de osso e isso diminui a chance de soltura e a recuperação no pós-operatório é mais rápida”, explica Dr. Cesar Martins, médico com mais casos de artroplastia de tornozelo no Brasil.

Quando a artrose está nos quadris e provoca dores e limitação de movimento, novamente a artroplastia é indicada para ajudar a restabelecer a função desta articulação. Especialista em cirurgia do quadril, Dr. Walter Taki explica que os quadris são articulações muito estáveis que conectam as pernas ao tronco, sendo muito importantes para o ser humano. “A prótese visa reproduzir esta articulação do quadril para melhorar a mobilidade na região e aliviar a dor provocada pelo desgaste articular. Nos casos iniciais de desgaste relacionados ao impacto femoroacetabular, conseguimos resultados muito satisfatórios com a videoartroscopia de quadril que é um procedimento menos invasivo”, destaca Dr. Walter Taki.

Também especialista em quadril, Dr. Rafael Tavares completa que toda cirurgia precisa ser bem indicada, o que traz sucesso ao resultado. “É importante lembrar que a prótese é uma articulação artificial, ou seja, não será exatamente a mesma coisa comparada a um quadril saudável. A grande vantagem dela está em devolver qualidade de vida ao paciente que sofre com a artrose e está com limitações no movimento justamente por conta da doença, além de sentir dores frequentes”, diz Tavares.

Para obter o melhor resultado após a cirurgia, é fundamental seguir as orientações médicas, incluindo a fisioterapia. “O pós-operatório inclui a realização de exercícios específicos para a recuperação plena, é imprescindível que o paciente evite dobrar os quadris em angulação menor que 90 graus (ou seja, não sente em lugares que estão mais baixos que a altura do seu joelho), não faça agachamentos para pegar objetos no chão, tenha cuidado ao sentar no carro, em sofás, e siga também as orientações sobre a melhor posição para dormir”, orienta Taki para os casos de artroplastia no quadril.

Dr. João Paulo Guerreiro, especialista em joelho, acrescenta que a fisioterapia pós-operatória auxilia na reabilitação e na volta da amplitude do movimento do joelho, além de minimizar a perda de massa e força muscular e melhorar o alongamento. “É fundamental para que o paciente retome as atividades. Aliás, a fisioterapia deve começar logo após a alta”, explica.

Uma informação importante é que algumas atividades não deverão ser realizadas por quem fez o procedimento. “Atividades de alto impacto e corrida não devem ser feitas por pessoas que passaram pela cirurgia de prótese total de joelho. Elas podem levar ao desgaste da prótese e, consequentemente, a volta da dor”, esclarece Guerreiro.

Com a população vivendo cada vez mais, a artrose causada pela velhice também se eleva. As cirurgias de prótese avançaram muito, assim como os materiais utilizados. Os especialistas da Uniorte afirmam que o objetivo de todo e qualquer tratamento é gerar o melhor resultado possível para o paciente, seja do ponto de vista da dor ou da possibilidade de fazer as atividades rotineiras novamente. “A artroplastia trouxe a possibilidade de retomar movimentos antes limitados pela artrose avançada. É um recurso que temos para pacientes que estavam muito prejudicados e sofriam com a doença”, finaliza Dr. Cesar Martins.

Galeria de Imagens

Convênios